segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

será uma grande desilusão se o Zero Dark Thirty não provocar "polémica" entre blogos esquerdalhos e salazaristas.


Este blogo deseja um bom ano de 2013 a toda a boa gente do mundo.

o BEM e o MAL- 2 (de 5)

"Mas olhe que eu ás vezes também sou mauzinho". "Mauzinho não. Mauzão. Mauzão Digital. Ihihih". E assim prosseguiam as práticas, tão saborosas quanto malévolas, do Senhor Académico e do Mauzão Digital. Reunidos nos luxuosos aposentos do primeiro (ornamentados através de impostos agiotas sobre as indefesas e boas gentes da encosta), relembravam conquistas passadas, degustavam vitórias presentes e projectavam ruindades futuras. Maus. A alegria e boa disposição andavam de mãos dadas, só interrompidas pela menção do Doutor Audiovisual, o incontestável Mestre de ambos os dois. Os rostos tornaram-se graves e pesados durante alguns segundos. Mas logo voltou a farra, quando o Mauzão Digital começou a falar sobre aquela vez em que tinha limpo o cagado rabo com a capa de uns Cadernus Du CinéMa amarelos. Foi um fartote. Mas vamos deixar por agora estes malvados e vamos saber que outros sucessos estavam a decorrer no Castelo. Então, nas masmorras digitais, Haneke, o Montanhês, prosseguia os castigos inomináveis ao menino Cinema Livre. Depois de lhe atirar com berlindes à cara bonita, atrevia-se a exibir-lhe, de uma forma que não pode deixar ninguém com coração indiferente, excertos de Funny Games USA. O menino horrorizava-se e chamava pela mamã, de seu nome Mise-En-Scéne, o que fazia aumentar ainda mais os desejos humilhadores e grotescos de Haneke, o Montanhês. Entretantos, surge, a tossir de tanto correr, Hologramas Wachowski, que se aproximou de Haneke, o Montanhês, e lhe segredou qualquer vagabundagem ao ouvido. Haneke, o Montanhês, ainda mais colérico ficou, e espetou com o dvd na cara do menino Cinema Livre, que já misturava ranho com lágrimas de uma tocante inocência. "Traz a cassete", disse Haneke, o Montanhês ao Hologramas Wachowski, para grande satisfação deste, que sabia bem o que iria suceder sempre que o outro lhe ordenava que lhe trouxesse "a cassete". Sem permissão dos Senhores, Haneke, o Montanhês e  Hologramas Wachowski montaram touros digitais com cornos académicos, um verdadeiro susto. Começaram a descer a encosta para a vila, mas voltaram para trás, quando se lembraram que não tinham deixado ninguém a castigar o menino. Assim, foram acordar aos seus modestos aposentos Scorsese, o Traidor, e Haneke, o Montanhês, deu-lhe ordens para dar pancada da grossa ao menino. Voltaram a montar os touros digitais, e Scorsese, o Traidor, foi para junto do menino, com este a rogar-lhe misericórdia, e a dizer-lhe que ele ainda tinha bondade no seu coração, que ainda não era totalmente mau, e por uns momentos soltou-se uma faísca no interior de Scorsese, o Traidor, mas logo se desvanesceu, um cenário de tragédia. Não dizemos a nomear e a demonstrar as atrozidades que Scorsese, o Traidor, cometeu sobre o menino Cinema Livre e vamos de volta à encosta, onde os dois caçadores, montados em falsos touros, iam a caminho da casa do Senhor Andre, coitadinho. As velhas de xaile preto, mal souberam que vinha aí catástrofe e Maus arrazoados, levaram os meninos para dentro de casa, acenderam uma vela e rezaram a São João Lucas. Na loja, o Senhor Andre esperava a chegada do Mal. Prostrado, cabeça baixa, preparando-se para o Adeus...

Este segundo manuscrito termina aqui, o que não deixou de espantar os historiadores e linguareiros, pois ainda havia folha e meia para preencher, o que ajuda a possivelmente provar uma das teorias adjacentes: a de que cada manuscrito foi escrito ao mesmo tempo por cinco pessoas diferentes, o que seria verdadeiramente bizarro, para mais se atendermos à evidente deformação cognitiva dos seus possíveis autores.

sábado, 29 de dezembro de 2012

2012.





















...e fora do circuito comercial:

Margaret, Kenneth Lonergan
Programa do Aleixo, 2ª Temporada
Espanha-1 Itália-1 (Euro 2012)
os dois primeiros álbuns do David Sylvian
salada de atum em Terça-Feira, Daniel Pereira
conversa na livraria da Cinemateca em A Pena Perdida, José Oliveira
um casal a foder na praia e passado pouco tempo o rapaz diz:" ó vizinho, tem horas?"
Andrea Pirlo
as mamas da Silvana
Fassbinder no Estádio
Barcelona-Madrid numa esplanada em Barcelona
a Vânia em bikini
Nana, Emile Zola
o artigo do Mourinha sobre aquela revista de cinema. Sempre gostei do Mourinha
lareira acesa
a Kylie Minogue no Holy Motors
o golo do Maicon em fora de jogo
o motorista italiano do táxi a caminho do Coliseum
"a minha mãe é uma mãe fordiana"
Phelps, Jim e Michael
o episódio "Miniature", de Twilight Zone
Barbara Bain
a Teresa, que já não via há coisa de sete anos e continua cada vez melhor
o mediterrâneo ás duas da manhã
milhares e milhares de cigarros
bagaço caseiro
a Scarlett no The Avengers
Marie Rivière
Le Rayon Vert
Marie Rivière
Le Rayon Vert
porno japonês
rodízio de marisco com vinho verde
"Tiago, queres ver-nos a pintar as unhas?"
Zanetti, 150 anos
o Robocop do Padilha só estreia em 2014. Ide-vos
não me lembro de mais





sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

o BEM e o MAL -1 (de 5)

[...] encontrados os manuscritos debaixo de uma rola morta. Segundo os linguareiros de serviço, os manuscritos datavam de uma data incerta e de uma não menos segura ocupação territorial. Conseguiram apurar, no entanto, que o(s) seu (s) autor(es) deveriam possuir não mais do que a 4ª classe ou, em alternativa, alguma paralisa intelectual. Assim rezava a história no primeiro manuscrito:

Havia dois senhores muito maus, o Senhor Académico e o Mauzão Digital. Que mandavam no castelo escuro e feio e mauzão. Os dois senhores muito maus ás vezes tinham arrufos um com o outro mas na maior parte das vezes eram amigos e aos sábados organizavam jantares grandes com muita lampreia e marisco. Os soldados gostavam muito e era uma alegria para todos. Os soldados ás vezes ainda eram mais cruéis e maus do que os os seus Senhores, que já eram muito maus. Havia velhas de xaile preto que nas encostas do castelo diziam que nunca tinham visto tanta maldade na vida nem tão grande rasto de destruição. Os soldados, comandados por Haneke, o Montanhês, ás vezes ouviam as velhas e riam-se muito, enquanto limpavam as beiças com os restos do frango roubado na mercearia do Senhor Andre, coitadinho. Um dia apanharam um menino chamado Cinema Livre e derrearam-no com porrada e meteram-no numa cela escura, má e cheia de ratazanas gordas e peludas e muito más. E Haneke, o Montanhês, mandava os seus rapazes a cuspirem e a mijarem para cima do menino Cinema Livre, que chorava  e pedia ajuda. O Senhor Académico e o Mauzão Digital ficaram muito contentes com esta apanha, porque já há muuuuito tempo que andavam à coca deste menino. Iam moê-lo com tanta pancada e depois iam dar os restos que sobrassem aos irmãos Taviani, que andavam esfomeados. Com os dentes podres da sua evidente maldade, o Mauzão Digital batia palmas e saltava enquanto Haneke, o Montanhês, dava com um pau na cara do menino. Os gritos deste eram tão fortes que se ouviam cá em baixo, na vila, onde o Senhor Andre chorava e pedia aos salmos que alguém tivesse mão neste mundo. As trevas...

E aqui termina o primeiro manuscrito, com marcas de lágrimas secas a emoldurarem as suas extremidades inferiores, sinal insofismável da grande emoção por que passava o seu autor. [...]

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

drogas fertilizantes.







Primeiros: o "Estádio" é a possível emulação lisboeta do Jack Rabbit Slim's do Pulp Fiction. Desde uma jukebox poeirenta a sósias do Fassbinder e da Agnés Varda, o maravilhamento cinéfilo é garantido. Ora ontem, os dois autores, fundadores, senhores, e ditadores deste blogo decidiram, ao fim de umas quantas bazukas alcoólicas, escrevinharem numa factura da CP os seus tops tens cinematográficos do presente ano, e das duas décadas passadas. Pensou-se continuar a aventura até aos dias de Lumiére, mas não havia mais papel. Entretanto, o Messi, na tv, enfiava mais duas balas na baliza adversária e o Madrid levava enxerto nesse grandioso estádio de Vigo. As presenças femininas tinham o mínimo de encanto, o que não invalidou um dos autores a afirmar, de forma escabrosa, que "ia tudo a eito!". Um outro, já quase KO com dores de cabeça, delirava:" o Enter the Void vale 100 Godards!", "o Wenders, até ao Paris, Texas, foi o melhor realizador de todos os tempos!". Discutiu-se bezanamente o significado de expressões como "piquena obra-prima" e "filme menor". Aconselharam-se Zurlinis. Festejou-se Gogol. Mandou-se o Sousa Tavares pó caralho, por ter escrito, de forma suez, que o Danilo vale meio Fucile. Já ia a madrugada nos seus inícios quando um dos ditadores envia uma sms a outro:" Foda-se, faltam o Eastwood e o Wiseman nos anos 90!". Um deles, antes de entregar o corpo ao mundo da "magia dos sonhos", visionou um excerto de recente e exótico cinema nipónico. Um espectáculo de beleza animal sem precedentes. Ia tudo a eito!

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

coisinhas boas.


Chabrol é um homem de pequenos prazeres. A esta hora deverá estar no reino do Senhor a bebericar uma vinhaça, a manjar uns pãezinhos com manteiga e a fumar uma charutada com o Alfred. Bellamy, o seu último filme, é também isso: uma relíquia de interstícios da vida, o quotidiano e as suas reluzentes banalidades a sobreporem-se sobre o "policial" e essas tretas do "género". Simplesmente, um filme de floreados sexuais (Depardieu, genial, imerso numa loucura mamária) e de papilas gustativas. Menos um a presentear-nos com saborosas mordomias. Vahina Giocante, quero ir à praia contigo. 

ps- ao fim de vinte minutos do War Horse já estava com dores de fígado. No espaço de poucos meses, Spielberg estreia dois dos seus três piores filmes.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

"cinema livre".







Começa com um travelling ao longo de uma limusina reluzente. As cobras e os caixões do Lang. Tão bonito. Esforço titânico para não se rebentar de riso perante o vampirinho em pose de estática fin-de-siècle. Diálogos impositivos, literários, a suspirar de "seriedade" e "tema". Miseráveis. A Binoche a dar o cu. O "silêncio individualista" da limusini perante os abafados ruídos da sociedade. Nojo. Seria uma vergonha na carreira do Ron Howard. Espero que os restantes noventa e cinco minutos não sejam tão importantes.

sábado, 3 de novembro de 2012

Ray Hudson

Desta vez não aguentei e tive que ir ver quem era este comentador da bola. Já o apanhei umas quantas vezes a vir-se com o Messi e agora está a vir-se com os passes perfeitos de Pirlo, no Juve-Inter. No youtube, já pesquisei, há momentos de glória deste Ray Hudson e o seu maravilhoso sotaque quasi-escocês (é natural de Gateshead). Luís Freitas Lobo, cuida-te.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Estou a tentar imitar o co-autor deste blog com estes títulos

Ivo Canelas num filme do Manoel de Oliveira (há dez anos)? Adiante, vi dois filmes muito, muito bons. A Place in the Sun é mais do que uma boutade de Godard e o Park Row é cinema directamente do coração, assim ao nível de Stallone ou Oliveira (o José, claro).

Nem uma sessão do Doclisboa

O José Nascimento no trailer do Operação Outono dá vontade de não ir ver o filme, de modo a proclamar o mesmo José Nascimento como acontecimento cinematográfico número dois deste ano de 2042 (Salvé, Aki!).

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

2042

Perguntei à menina se o filme passava em película ou em dvd e ela respondeu que passava em blu-ray. O meu delorean ultrapassou a barreira dos 3mb/s de download de um filme. As programadoras do doclisboa confundem-se com as spice girls. O último plano do Anatomy of a Muder e o último plano do Gespenster.

domingo, 7 de outubro de 2012

José Vilhena (6).


1985.


Estranhas coisas acontecem no mundo dos cinemas. Tão estranhas que nem o Professor Fofana e demais sábios do Martim Moniz saberão explicar. Como por exemplo: porque é que uma punheta mal batida ao Spielberg, de seu nome Super 8, tem uma carga antecipatória e publicitária que faria inveja a um concerto dos ufandos U2, e este delicioso The Hole, que na pior das hipóteses e só na mente de cabeças malévolas é uma brilhante punhetada de Joe Dante nele próprio, portanto sem promiscuidades que fariam vergar de vergonha o César das Neves, passou mais despercebido que uma mama da Paris Hilton naquele video de merda que ela fez com um dos seus chulos? Ambas as obras com alusões fantasiosas, ambas com actores  jovens desconhecidos, ambas incursões nos medos juvenis, e depois caminhos diferentes nas cadeias distributivas e exibicionais e, no que interessa, na qualidade, pois o primeiro é uma junção atabalhoaada, sem mise-en.scène, dos caminhos Spielberguianos, Zemeckianos, Dantianos e dos demais punheteiros dos anos 80, e o segundo é só quase coisas boas, tais como:

-contínua desvirtuação das expectativas do espectador
-primeiro acto assombroso de síntese narrativa
-uma banda sonora na corda bamba entre a paródia do género e a homenagem evocativa (aquele assobio  parental, estranhamente, faz-me lembrar o Night of The Hunter)
-uma personagem, a de Halley Bennett, que se enquadra no primeiro tópico
-recalcamentos psicológicos da mais fina estirpe
-last but not the least, citações avulsas e gostosas de Dante a Dante (e ainda ao outro Dante, o dos Infernos), o que é muito bom, sobretudo porque eu sei que irrita aqueles que não gostam de citações e de "cinema".

O Dante está vivo. Se for preciso realizar CSIs para depois me dares isto, ó Joe, 'tás à vontade. Extrai bom dinheirinho desses idiotas, digo eu.

entra o Peter Falk.


Abrir escancaradamente as portas ao kitsch e à pantominice e daí resultar tensão, gravidade, linhas turvas, terror. Opening Night é dos grandes. 

Não aconselhável a bêbados e a fumadores.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

José Vilhena (5).


é por aí.






Há uns tempos decidi dar uma chance ao Capitão América. Trinta minutos de razoável entretenimento e o restante "realizado" por um computador, que mesmo assim não conseguiu domar um dos grandes desta vida. Tão cedo não pensaria meter-me em nova alhada da Marvel, mas farto de ver porno tentei saber como é que a moça aí de cima estava no The Avengers. Digamos que o nível de putedo da menina está como nunca, sobretudo na sua primeira aparição, a que esse fotograma se reporta. Mamalhal saltitão, vestido-mais-curto-na-pode, meias pretas e rotas à quenga de estrada, boca de brochim mandarim como mandam as boas regras, um regalo, então para o poeta Mexia nem quero pensar. Tão entesado fiquei que nem dei conta do que se estava a passar, onde parecia que um velhadas mauzão com sotaque russo daqueles da Missão:Impossível dos anos 60 queria torturar a menina com alicates, ou lá o que era. Enquanto decorria a punheta não deixei de pensar de que conhecia aquela cara de mauzão de algum lado, mas deixei que as minhas dúvidas fossem dissipadas nos genéricos finais, os melhores minutos de um filme que se insere na nobre categoria do "filme para atrasados mentais", mas sem a indispensável loucura para fazer parte dos clássicos do género (parece que isto foi "realizado" por um gajo chamado Joss Whedon, a quem o Mourinha chama "Mestre". Fui ver ao imdb os seus trabalhos e deparei-me com obras capitais do entertainement dos últimos 80 anos, como "Buffa, a caçadora de lombrigas", "Jessica Anjo Negro Alba", maravilhoso. Mourinha, o nosso verdadeiro mestre), ainda por cima com esse insuportável Downey Jr, mete-te no caralho mais esses tiques de gajo enfastiado a dar uma de diastanciamento enquanto forra os bolsos, foda-se. Ia eu nos créditos finais. Então foi aí que soube que o vilão era o Skolimowski. O Skolimowski num blockbuster retardado a tentar torturar a Scarlett. Fez muitíssimo bem. Esteve juntinho a uma das maiores descargas sexuais da actualidade e forrou os bolsos para os seus desígnios cinematográficos, mas com profissionalismo inatacável, sem o mete-nojo blasé do Downey Jr, mete-te no caralho. Eis mais umas duplas que gostaríamos de ver no Avengers 4 ou 5:

Bela Tarr vs Lindsay Lohan
Godard vs Beyoncé
Von Trier (e um saco de fezes) vs Shakira
Pedro Costa vs Soraia Chaves
Reygadas vs Britney Spears

twilight zone.

Javier Zanetti, quase 40 anos, a fazer um sprint de 60 metros, com a bola controlada, e a deixar pelo caminho gajos com idade para serem seus filhos. Aconteceu ontem no Chievo-Inter.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

José Vilhena (4).


cigarette burns.

















O dia em que digitalizarem e "restaurarem" e "remodelarem" e "modernizarem" Detour será um dia triste para o cinema. Felizmente que os meus parcos dinheiros serviram para comprar uma das piores cópias possíveis em DVD.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

al-al-al-al.


Até que ponto é que os tolinhos, nos últimos 30 anos, adoptaram como conduta oficial a sua própria caricatura e folclore nos "filmes de Hollywood, esses satãs?". Mais uma vez se comprova a influência nefasta do "cinema de Hollywood" em mentes menos preparadas e tolinhas. Só gostava de saber onde é que eles vão comprar as bandeiras dos States.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

José Vilhena (3).


tags: filhos da puta, Senhor Merkel, Coronel Kurtz, molas nos mamilos da Assunção Cristas.

Não me parece que seja com djambés, "palavras de ordem", músicas do Zeca e tarjas que este bando de filhos da puta, lunáticos e amestrados do Senhor Merkel possam desaparecer do mapa. Estes filhos da puta, lunáticos e amestrados do Senhor Merkel têm de sentir, a cada passo que efectuem, aquilo a que o ponderado e justo Coronel Kurtz chamava de "Mortal Terror". Se fomentam (e orgulham-se disso) violência, pobreza e espartilhamento social, aumentando a humilhação das condições de vida que podem levar, sem delírios, ao fim absoluto do individuo, como é que se combate estes filhos da puta? Há que seguir os sábios conselhos dos camaradas Garcia Pereira e Arnaldo Matos. 

sábado, 8 de setembro de 2012



Se calhar só eu é que não estava a par, mas achei piada ao momento entre 1h28m50s e 1h29m10s. De resto, é capaz de ser o pior filme português (?) que já vi. Nem Martins, nem Aimar, mas Bruno César na posição do Witsel. Pronto, post de cinema e bola, vou voltar para a cave.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Russian Ark (a abarrotar de dinheiro gaseificado).


São Petersburgo. Uma cidade, ao que dizem, muito bela, com mar e o mítico Hermitage. Recheada de cultura e com "séculos de história", de czars sanguinários a cãezinhos venezuelanos. E o lamento fascizante no final da obra-prima de Sokurov vai fazendo cada vez menos sentido. Vão rebentar com isto tudo.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

"este filme tem um tema. olhem aqui, olhem!".

O "monólogo da degradação" do The Turin Horse irrita-me pa caralho. Sopinha, muita sopinha. Tarr, já lá está o cavalinho sem fome, já lá está o velhinho sem fome, as luzes vão dimuindo, já lá está o esforço de toda a vida. Vai-te foder mais as retóricas.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

José Vilhena (2).


Bruce Geller esteja connosco.






algumas razões elaboradas à pressa e com pouco discernimento sistémico:

- Barbara Bain.

- reaccionarismo ideológico, anti-comunismo primário, conservadorismo nos costumes. Num tempo (1966-73) de algumas das maiores catástrofes naturais da História da Humanidade (Maio de 1968 (papá, vamos ver o Dreamers! É tão xenxual e libertador!), flower power, cantautores engajados apenas politicamente, Simone de Beauvoir e o seu esposo, os Cahiers amarelos, Benfica tri-campeão), deve ter sido bem refrescante assistir a tanta e tão bela genuína demonstracção de amor pelos mais altos valores tradicionais. E tudo impecavelmente vestido, nada daquelas roupas nojentas dos hippies.

- hilaridade e caricatura nos ditadores sul-americanos e respectivos nomes dos países que governam com mão, pé e língua de ferro. "Boa tarde Sr. Phelps. Está a olhar para Andres Hernandez, ditador de El Sombrero, um pequeno país sul-americano que mantém relacções privilegiadas com o inimigo...".

-Barbara Bain.

- Martin Landau (marido de Bain na altura) e seus sotaques alemães, checos, mexicanos, etc. Bela Lugosi em retrospectiva.

- para quem, como eu, considera a sequência do Cruise em Langley o melhor momento da arte ocidental dos últimos mil anos, é certo e sabido que adorará imensas sequências semelhantes na série.  Quase todas elas protagonizadas pelo Barney, o pr...o negro da série, especialista em cozinhados, electrodomésticos, boxe e chaves de fendas.

- Barbara Bain.

-a "sequência do apartamento", em que Briggs/ Phelps dá as instrucões aos seus escravos e em que estes expõem as suas "dúvidas", por entre sorrisos, champanhe e cigarros, é gozo eterno. 

-cigarros, então. Muitos. Todos fumam. Os experts do IMF, os ditadores, os criminosos. Kudos, sobretudo, para Barbara, toda ela sexy envolta em fumo, com as suas jóias, o seu baton, os seus truques de coquette. Ca foda.

- Sid Haig. O juiz no Jackie Brown e o papá dos assassinos naquele filme do Zombie. Entra em vários episódios, desde guarda-costas de um ditador muçulmano a carcereiro. Lindo.

- e, sobretudo, porque desde que o meu papá, aí em 1990 (na altura da transmissão da série-remake) me avisou para não ver "isso, pá! Série de lixo imperialista! Pol Pot para sempre!", que ganhei profunda admiração pelo M:I.

-Barbara Bain.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

se calhar são os zooms que provocam as lágrimas.

Ai, a televisão que não deu notícia da morte do Chris Marker, e preferiu antes gastar o seu tempo com reportagens histéricas sobre a chegada dos atletas olímpicos medalhados às suas terras, ai, é sempre a mesma coisa, no limite, é claro, ai, e o novo clip da Madonna, onde, no limite, se constrói a narrativa medirional de uma substância aziótica e recalcada das medusas octogonais e messiânicas de uma bojarda limitativa da roupa e lavagem cerebrais. No limite. 

Bom, quando um qualquer Guedes de Carvalho ou escritor Rodrigues apresentar a morte de um Chris Marker nos seus pedaços "informativos", entre "um incêndio que deixou um rasto de destruição" e zooms nas caras dos protagonistas para apanhar as suas lágrimas, então ficaremos a saber que não foi a televisão que melhorou, mas sim que o cinema terminou, de facto. No limite, claro.

José Vilhena (1)


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Zvyagintsev.

Não o de "Elena", mas o do seu "aclamado filme de estreia", "The Return". Com cuidados entrei na visão deste filme, cheio de medo depois de ter lido qualquer coisa sobre "Tarkovsky" e "misticismos". Não era caso para tanto. Lindinha música ambiental/electrónica. Elipses e mistérios que, curiosamente, não despertam curiosidade nenhuma. Cenas episódicas que só criam ruído visual. O esforço físico dos actores jamais me criou qualquer cansaço; deveria ter ficado moído como eles, e em vez disso continuei com forças para rebentar ao meio dois Putins. Nem tudo é "artistico", seus coriscos. Também há "belíssimas paisagens" e "notáveis interpretações dos actores juvenis."

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

fluídos.






Mijo, esporra, muco vaginal, ranho, cerveja, sangue, saliva. Onde Van Sant vê "poesia" e "estado de consciência", Clark vê abjecção, trolhas e instintos básicos. Foder, matar e comer um bolo. Com dedicatória e um beijinho nas barbas do doutor Daniel Sampaio.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

FCP vs Benfica.

Sem mais delongas:

PORCOS FILHOS DUMA GRANDA PUTA ASQUEROSOS SARRACENOS FILHOS DE PAIS PEDÓFILOS E PUTAS MAGREBINAS!

SALAZARISTAS FILHOS DUMA GRANDESSÍSSIMA PUTA!

IIINNNCHHEEEMMMM SEUS FILHOS DUMA PUTA!!!! PORCALHÕES!! ESTES FILHOS DUMA PUTA SÃO A MAIOR CORJA DE BADALHOCOS EM PORTUGAL! VERGONHOSO O QUE SE PASSOU! FILHOS DUMA PUTA! NA ALEMANHA TODA A GENTE SABE QUE UM SALAZARISTA LAMPIOLHOSO NÃO PASSA DE MAIS UM FILHO DUMA PUTA!

E A CEREJA NO TOPO DO BOLO FOI MAIS UMA SUPERTAÇA E MAIS UMA PISSADA NAS BORDAS DO CU DA SALAZARAGEM!!!

IIIIIIIIIIINNNNCHHHEEEMMMM PORCOS SUÍNOS!!!

SEUS AGARENOS AMULATADOS DE ADN PEDÓFILO!!!

CHUPEM NA PIÇA DO GRANDE FUTEBOL CLUBE DO PORTO!!!!!

SÓ DÁ PORTO!!!!

SÓ DÁ PORTO!!!!

SÓ DÁ PORTO!!!!

ENQUANTO ISSO, OS MOUROS APRETALHADOS DA CAPITAL INTERNACIONAL DA PEDOFILIA DEMONSTRAM AO MUNDO O PORQUÊ DE SEREM UM CLUBE DE FILHOS DA PUTA! daqui

vs

Caríssimo Rui, estou ABSOLUTAMENTE de acordo com o que dizes.
Quanto ao EXECRÁVEL INTELECTUALÓIDE arca de noé, que deixe de comer M..RDA. Com "benfiquistazinhos" como esse PALERMÃO, o Nosso BENFICA não precisa de porcos azuis corruptos nem submissos lagartixos verdes para o ATACAR.
Esse "INTELECTUALÓIDE" analfabruto, pensa que ser BENFIQUISTA é ser MONGE, MANSO, TÓTÓ, DAR SEMPRE A OUTRA FACE, etc,etcetc,.. Oh CÃO, se és BENFIQUSTA devias era de LUTAR FEROZMENTE contra os APITADOREW CORRUPTOS que há cerca de 30 anos ROUBAM DESCARADAMENTE O BENFICA, oUVISTE, oh MENTECAPTO.
se isto se passa no fóculporco, ao havia um adepto que fosse que estivesse a ATACAR um seu jogador e a não ATACAR FEROZMENTE o APITADOR. No BENFICA só sabem ATACR o próprio Clube. É essa uma das grandes diferenças entre os adeptos de BENFICA e porco. No BENFICA não há UNIÃO. Quando perdem um jogo escondem logo os cachecóis. Eu quando o BENFICA perde, mais depressa VISTO A MINHA CAMISOLA E VOU PASSEÁ-LA NA RUA e nos cafés onde páro.

O BENFICA, para mim é e será sempre ORGULHO MÂXIMO.

Há 30 qnos a swr ROUBADO e em vez de atacarem o PALHAÇOE do APITADOR ALEMÃO que até se fez de morto, ainda atacam o Luisão???!!! Mas estes adeptos de MERDA QUEREM freiras dentro do campo???!! querem monges e padres dentro dos relvados???!! Oh COVARDES ide TODOS À GRANDE PUTA PÔDRE QUE VOS PARIU. Ninguém Nos dá valor por sermos BENM COMPORTADOS. Ainda NOS roubam é mais e às DESCARADAS.
O BENFICA PRECISA URGENTEKEMTE DE MELHIORES, MUITP MAS MUITO MELHORES ADEPTOS, ADEPTOS MILITANTES E QUE COLOQUEM O BENFICA À FRENTE DE TUDO.

BENFICA, SEMPREE,, SEMPREEEEEEEEEEEEEEE

DESEJO MAIS UMA VEZ A NMORTE A ESSE FILHO DA HRANDE puta do apitador alemão que devia morrer esmagado por um cilindro de 8000000000000000000000000 tonoeldas, PARA NÃO FICAR NEM UM áromo DESSE FILHO DA PUTA.

BENFICA,,,,,, SEMPREEEEEEEEEEEEEEEEE. daqui

Foi para isto que a blogoisfeira nasceu.




"é favor retirar os carros da avenida para dar lugar à grandiosa procissão".






Populaça e seus costumes festivaleiros? Encerrados no celulóide e/ou digital, bem longe da minha pessoa. O que não invalida que prefira Tony Carreira ao Devenda Banhart ou àquela Fachada consporcada de tanto jornaleiro amor branco. Resumindo: cheiro a bifana.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

goza mais.


Meu filho, espero que continues um "ser humano menos perfeito", um "arrogante", e que não te resignes à narrativa oficial e bem pensante do "preto humildezinho e respeitador". E se conseguires indignar esquerdalhos, melhor ainda.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

il conformista.






Limpava eu, com todo o carinho e fofice, os meus revólveres e metralhadoras, quando deparei com

A revista alemã Der Taggspiegel chegou a traçar uma relação entre os assassínios em massa cometidos pelo americano James Holmes e o norueguês Anders Behring Breivik: nenhum dos dois tinha perfil no Facebook.

Desviei o olhar do monitor para a soturnidade da cave sarnenta, onde nas suas paredes se amontoam bonitos retratos de pessoas que merecem ter uma vida melhor. Depois retirei da cara as cuecas cagadas da minha bisavó e li

E o jornal ainda traz o exemplo do repórter de tecnologia Farhad Manjoo, que escreveu uma coluna para o Slate.com dizendo que não se deve namorar quem está fora da rede social.

Fiquei chateado, e arranquei as plumas do pescoço e a banana do rabo, tecendo considerandos pouco apropriados para a minha pessoa. Mas eu queria mais, e mais tive em

O Facebook tornou-se um espaço tão comum para os cibernautas que não estar presente na rede social transformou as pessoas em estranhas.

Agora é que estava mesmo triste, derramando lágrimas de puro arrependimento por ainda não me ter casado, não ter tido filhos, não fazer churrascos ou sardinhadas com o pessoal, e de ter gostado do Enter The Void. Apenas tens a vida que mereces, dizia eu de mim para mim e para comigo, desgraçadamente rasgando as ligas nas pernas e jurando criar imediatamente uma conta no Facebook, Mark Zuckerberg Seja Louvado, a nossa Salvação, o nosso fuhrer, o nosso B, glória. E antes que se faça tarde,vou já dar nota 10 ao Dark Knight Rises no IMDB.

 

 

 

 

 

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

é sim.

Por mais porcos que andem de bicicleta, penso que nada bate o facto de estar a dar, neste exacto momento,  o Zé do Caixão na TVI.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

relativismo temporal.


Ah, os sentimentos humanos, ah, como são bonitos e complexos. Há quatro anos rezava, a cada prova, para que esse monstro não ganhasse o ouro (já nem era questão de rezar para que não fosse medalhado), tecendo impropérios gravíssimos contra a sua pessoa, com o culminar dos vómitos linguísticos a ser atingido na célebre prova dos 100m mariposa, ganha pelo Cavic, mas atribuída ao bisonte. Há algumas horas, antes da prova dos 200m mariposa, estava com um nervoso miudinho que jamais pensaria ter em qualquer competição que não envolvesse um jogo da bola do FCP em Carnide. "Anda, caralho!", "anda, porra!", "anda, filho da puta!, "anda, anda, anda, foda-se!", "mais depressa, pá!", "qué isto, caralho?", "olha o le Clossssssssss, cabrão!", puxava eu pelo adamastor caído em desgraça, um quase has been que faz despertar a simpatia pelos seres humanos imperfeitos, longe da antipatia raivosa pela robótica invencível de há quatro anos. Não é Ouro é Prata, na faz mal, toca a andar, só falta uma, vamos lá, boi Lochte a ajudar nos 200m estafetas, tá quase, ai jesus que vem aí o chinês de quatro metros, ainda o apanha, não apanha nada, é agora, é agora, já está. 19 medalhas. "Melhor jogador de todos os tempos". E ainda não acabou. Bom, deve ser por esta compaixão que um gajo (não eu, que eu sou de ferro e aço) gosta do Expendables. Parece que no 2 os heróis vão estar como se encontravam os chefes mafiosos no tribunal no "Casino".

sábado, 28 de julho de 2012

ganda filme, o "Sapatos Pretos". Sobretudo a parte em que o Norte chupa as mamas ensanguentadas da Ana.








Pesquisando, descobri que o Peirsol, o Benard e a Mirna e a Maggie já se reformaram. Os outros estão todos em Londres. De óculos e barrete na cabeça, qualquer nadadora parece sexy.

sábado, 14 de julho de 2012

só me faltam vinte e sete páginas para acabar de ler o Don Quixote.


Bogdanovich. O homem que, com intrépida ousadia, ousou perguntar um dia ao velhaco Ford "como é que filmou tal?", ao que o cachimbeiro, com não menos pujança, respondeu "com uma câmara". Também um homem que foi avançado-centro dos "anos 70 amaricanos" e que hoje em dia vive numa cave bolorenta rodeada de bobines do "cinema clássico amaricano". E que no apetitoso Paper Moon colocou Tatum O' Neal a fumar, ainda por cima em frente ao papá, autêntica malvadez do Satanás. E a grande depressão era um parco pretexto para comédia geracional. Tatum e o seu rosto cerrado. Alguém que a meta num filme do Wes Anderson. Próxima dissertação: grandiosos paroxismos sobre as séries Twilight Zone e Mission: Impossible.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

"parvo! soez!".


Na Escandinávia vivemos praticamente nuas.


Partícula de Deus. 5d. Ipad. Ebook. MotionCapture. Espantos e maravilhas dos tempos "modernos", mas de que pouco valem nos jogos florais vereneantes, práticas com milhões de anos e imunes a "desenvolvimentos" tecnológicos e sensoriais; afinal, uma cona é uma cona e um caralho é um caralho. E daí que, por mais tempo que passe, continua na ordem do dia o clássico "gaja em bikini à entrada da água do mar e gajo a aproximar-se por trás e a atirar água para a gaja que por sua vez começa aos gritinhos e saltinhos chamando ao gajo de "parvo! soez!" enquanto interiormente pensa que ele poderá ser o tal ou pelo menos um dos candidatos a tal ou pelo menos que a quer comer enquanto o gajo já sonha em comer a rata da menina, pelo menos antes do final da semana, e vejam que doces são os gritinhos da menina". O Verão é mesmo uma delícia. 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Euro 2012: dia de acabar com isto e de voltar aos filmes (salvo seja).



A raiva que esta selecção espanhola desperta em muitas mentes é mais do que compreensível. Se do ponto de vista "racional" não há como atacar esta equipa, pois faz tudo muitíssimo bem, há que enveredar, então, pelas emoções mais viscerais e fundamentais ao normal equilíbrio de um ser humano, não vá ele rebentar de recalcamentos. E daí a mitologia da raposa e das uvas e de demais delírios narrativos, com árbitros "amigos da Unicef", "esta corja só lá vai a roubar", "Portugal merecia passar à final", " o Passos Coelho não é um filho da puta", etc, um precioso conjunto de fábulas e negações. Para esta fúria também não ajuda a estatura média dos jogadores espanhóis e de, à excepção do Alonso, nenhum deles ter força para chutar de fora da área; só dá vontade de os moer com pancada e depois atirá-los aos cães. Lá está, há que atacar estas  mulas "aborrecidas" com toda a artilharia não-argumentativa e puramente epidérmica. Não faz mal nenhum, não tem consequências, e faz bem libertar o Balotelli que há em cada um de nós. 

Casillas; Ramos, Hummels, Lahm; Busquets, De Rossi, Pirlo, Silva; Iniesta, Ozil, Fabregas.

Buffon; Pepe, Bonucci, Coentrão; Moutinho, Xavi, Marchisio, Montolivo; "melhor jogador do mundo", Cassano, Torres. 

os cinco piores jogadores do Euro:

Chalkias, Robben, Milner, Carrol, e todos da selecção irlandesa. 

jogadores mais bêbados do Euro:

Milner, Milner, Milner, Milner e Milner. 

actrizes por...público feminino mais atraente no Euro:

as alemãs. 



23

Buffon; Debuchy; Hummels; Pepe; Alba; Pirlo; Modric; Ozil; Ronaldo; Iniesta; Gomez

Casillas; Ramos; Moutinho; Xavi; Khedira; Fabregas; Mandzukic

Neuer; Lahm; Bonucci; David Silva; Benzema

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Euro 2012: dia 21.



Tendo em conta o padrão iniciado em 1982, continuado em 2006 e prosseguido agora mesmo, os italianos bem podem rezar a todos os santinhos para que nas vésperas de uma grande competição da bola as escandaleiras se sucedam, com apostas ilegais, tráfico de influências, padres mafiosos, padres pedófilos, apostas ilegais e Cosa Nostra e apostas ilegais. E se a isto se juntar uma fase de preparação medíocre, é caso para se apostar bom dinheirinho nestes italianos, e se for ilegalmente, melhor. Grande exibição destes sujeitos, sobretudo na segunda parte, em que desconcertou a inteligência com que fabricavam "tranfers" (no meu tempo eram "contra-ataques") no meio campo teutónico; mais desconcertante só a ligeireza com que eram desperdiçados. De Rossi, Montolivo e, peço desculpa, vou-me ajoelhar, Pirlo são o melhor meio campo deste Euro, onde até um bom jogador como o Marchisio parece um Meireles, tal a exigência da comparação. Quanto aos alemães, não se preocupem: quem se dá ao luxo de deixar Muller, Gotze, Reus e Kroos no banco só pode aspirar a nos próximos dez anos estar sempre, no mínimo, nas meias finais de uma competição do couro. 

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Euro 2012: dia 20.


E pronto, o Euro 2012 acabou. As mulheres podem voltar para os tachos e panelas e aquelas que nos estádios, exibindo as carnes pecadoras, não conseguiram vantajosos contractos para publicidade/brocharia, devem regressar aos classificados do Correio da Manhã. Uma calamidade proporcionada por dois penaltys falhados, pela magnífica capacidade decisória do Meireles, pelo remate para Júpiter do "melhor jogador do mundo", pelo "azar" (esse vendilhão que não larga os lusitanos) e por uma exibição monstruosa de classe de Sergio deixem-me atirar para o chão Busquets, num jogo da bola em que duas equipas, desfalcadas com Almeida e Negredo, proporcionaram um interessante espectáculo de rigidez táctica, só superada no prolongamento por Pedro e Navas que finalmente deram largura ao catenaccio do século XXI da selecção espanhola. Altura de arrumar as cadeiras, limpar o chão, apanhar as beatas, despejar as mines e de estarmos mais uns meses sem ouvir relatos do Paulo Garcia.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Euro 2012

Para completar os fundamentais posts do co-autor Napalm sobre o Euro, os ultra-fundamentais textos do enorme Luís Freitas Lobo sobre o Euro, desde logo com esta pérola: "Não é obrigatório esquecer o clássico para se ser moderno."

Luís Freitas Lobo no ípsilon, já!

Em breve: o 11 ideal do euro, que inclui o melhor jogador do mundo.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Euro 2012: dia 17.


Eram 22:20 em Portugal Continental quando Hart, o badameco, começa aos saltinhos na linha de baliza, talvez impulsionado pelo futebol de macaquinhos alcoolizados da sua equipa. Uns trinta segundos mais tarde já era vítima da maior gozação deste Euro, que teve um sabor ainda mais doce porque nessa altura as alimárias estavam todas contentinhas com a possibilidade de ganharem o jogo. Felizmente, assim não sucedeu, nem que não fosse porque uma equipa que tem um Carrol (não há palavras suficientes para descrever esta coisa, e peço já desculpas ao Samaras e, imagine-se, até ao Dzeko) deveria ser proibida de participar em competições oficiais (grande inteligência negocial dos dirigentes do Liverpool, o clube dos assassinos). Quanto ao autor da humilhação, há que escrever que ultrapassou as minhas expectativas: pedi-lhe uma cuequinha ao apodrecido médio do mesmo Liverpool, e ele responde com aquilo. Ide, ide, lá para os fish and chips e para os filmes do Boyle, e peçam escusa futebolistica durante trinta anos, para se actualizarem. Filhos da puta.

domingo, 24 de junho de 2012

Euro 2012: dia 16.


A exibição da Espanha no jogo de ontem contra o Alcorão deve ter sido o apogeu (número 873) do "sindroma da gaja boa": faz o que quer, como quer, tendo absoluto controle sobre o adversário, deixando-o a babar e a cheirar o perfume. Desta vez, nem precisou de muito, bastando levantar um pouco a mini saia e a deixar cair uma alça do soutien, tal a falta de resistência e controle por parte dos banlieues, que nunca mostraram, por um segundo que fosse, que poderiam dar uma carga de porrada em tamanha putaria provocatória. Tantas foram as facilidades que o Busquets, uma vez mais, aproveitou para se estirar pelo verde prado do Dumb Ass Arena. 

simulação de um Gana-Brasil, com comentários de Paulo Garcia e João Rosado:

P.G- Boa tarde, senhores radiouvintes. Estamos em directo da capital ganesa, Jacarta, para acompanhar este Gana-Brasil. Como antevês este encontro, José?

J.R- João. Perspectivo um encontro fascinante.

P.G- Concordo, Mário. De um lado estrelas como Essien, do Man. United, e um dos irmãos gémeos Boateng. No outro lado um Brasil renovado, com Ganso, Pato, Neymar e Rivelino. 

J.R- João. Sem dúvida, "estão reunidas todas as condições para um excelente espectáculo de futebol".

P.G- Evidente, Marisa. E entram as equipas em campo para o aquecimento, com os jogadores a darem toques num objecto redondo.

J.R- João.

P.G- Isso. Voltamos dentro de momentos. A emissão é tua, Fernando Pessa.