domingo, 22 de fevereiro de 2015

como é costume, eis o que temos a dizer sobre o que se vai passar daqui a umas horas:


o único sopro de vida em Gone Girl

video


double bill: Shubun, Kurosawa +






Uma das possíveis definições de Inferno:

-ouvir de seguida um álbum do Bon Iver, outro dos XX, e terminar com os Fleet Foxes.

este texto tem espóileres


Estavam decorridos treze minutos e vinte e seis segundos de Welcome to New York quando tive de ir bater uma. Não que as putas que estivessem a derramar charme postiço na magia do monitor tivessem especial encanto punheteiro, mas sim pela fantasia que proporcionaram á minha modesta capacidade cerebral: gajo-todo-poderoso a levar para um hotel a Diana Chaves, a Vanessa Oliveira, a Sónia Araújo, a Léa Seydoux e sabe-se quem lá mais e depois festa rija com espumante e bagaço e carapaus assados no pão. Pívea batida, volta-se ao filme. Essas putas desandam e entram outras duas, russas. É  a partir deste ponto que o filme começa a provocar delícias: quando as putas estão prestes a entrar no quarto do Depardieu, o Ferrara corta para este, deitado na cama, a olhar para o tecto, e depois a ouvir a campainha, a olhar para o relógio e a soltar um "ah!", como quem diz:" está na hora de mais putedo! Viva! FMI para sempre!". Depardieu a foder é imperial. Rosna, e isto não é uma mera expressão idiomática, mas sim um acto para levar á letra. Rasga, bate, lambe, só falta chorar, como o fabuloso Keitel do melhor filme americano dos anos 90. As fodas e o espumante nas tetas das putas e demais guloseimas estão em perfeito contraste com os planos fechadissimos "é para mostrar a envolvência dos corpos" do pedaço de bosta chamado 4:44: claros, simples, sem termos os poros e o suor a sujar o monitor, que magia. Mas isto não é nada, o melhor ainda está para vir, numa sequência de arrest-prison-release que mostra a verdadeira essência de touro enraivecido "interiorizado" da personagem do Gerard. Minutos de mínúcia hitchockiana do The Wrong Man mas sem sentimentos de culpa: jamais se vergar, nem aos guardas (negros) que lhe lançam atoardas sibilinas nem aos presos (negros) que o olham e o envolvem de forma acusatória, numa cena que parece estar sempre a tombar para os terrenos da violência mais extrema. "Eu quero é que vocês se fodam todos!", diz Depardieu, frase a juntar ao "eu quero é que a vossa felicidade se lixe!" do adieu godardiano; tudo pó caralho!. Jacqueline Bisset a lembrar glórias alheias, em sequências "dialogantes" em interiores com Depardieu que são tratado de "representação" (toma, Serra, filho de uma grande puta, viva os actores!). Para a selvajaria ser ainda maior só falta o Devereuax/Depardieu foder a própria filha, que é bem boa. Pronto, é isto.











sábado, 21 de fevereiro de 2015

je cherche la pauvreté dans le langage, parte dois

"eu acho que a liga portuguesa devia fazer uma campanha, por cada benefício ao benfica, manda-se 10 kg de comida para áfrica. No final da época, já não aceitavam mais comida."

daqui

Je cherche la pauvreté dans le langage (aka, não tenho caralho que seja para dizer)

Welcome to New York, Ferrara-*****
Winter Sleep, Ceylan-*****
arbitragens nos jogos do actual primeiro classificado da liga portuguesa de futebol-*****
Adieu au langage, Godard-*****
Shûbun, Kurosawa-****
Lourdes, Hausner (cinema "rigoroso")- *
"e o presidente do Benfica andava atrás de mim para falarmos e assim estabelecer um acordo em que alternaríamos os campeonatos", Bruno de Carvalho-*****
Alexis Tsipras-*****
gajedo de esquerda com a cona molhada a pensar no Tsipras-*****
putedo sensivelmente dos 20 aos 50 anos que prefere gastar meia dúzia de euros no cinema a ver fantasias de uma puta quando o pode fazer grátes através da internet-0
curtas do Tonacci na internet-****
Dumb and Dumber to, Farrelly brothers-***
The Fog, Carpenter-*****
Big Trouble in Little China, Carpenter-* (nunca tinha gostado do "período hollywoodiano" do Carpenter, e voltei a não mudar de ideias)
aquele senhor ministro das finanças alemão na sua cadeira de rodas-*****
Le feu follet, Malle-*****
From Hell to Texas, Hathaway-****
2084, Marker-****
Let Me In, Reeves-***
French Cancan, Renoir-*****
Vanessa Oliveira com as mamas quase a rebentar a camisa-*****
Journey to the West, Tsai-****
Walker, Tsai-***
Nightcrawler, um caralho qualquer-*
John Wick, um caralho qualquer-*
A Vida Invisivel, Gonçalves-****
Perfect World, Eastwood-*****
Schindler's List, Spielberg-*****
Turning Point, Dieterle-****
O Gebo e a Sombra, Oliveira-**
In Public, Jia Zhang Ke-****
Day of the Outlaw, de Toth-*****
Gone Girl, Fincher-* ( talvez mais uma, por causa daquela tetalhuda que anda com o Affleck)
As Pedras e o Tempo, Lopes-****